quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Empreendedora com síndrome de DOWN abre negócio de café em SP

“Sou muito feliz de mostrar para todo mundo que sou capaz de ter meu próprio café", diz Jéssica Pereira

Por Vitória Batistoti

Jéssica Pereira da Silva, 25, é a sócio-fundadora do Bellatucci Café, empreendimento inaugurado em julho em X, bairro na zona Y em São Paulo (Foto: Reprodução / Facebook)
Jéssica Pereira da Silva, 25, é a sócio-fundadora do Bellatucci Café, empreendimento inaugurado em julho no Cambuci, bairro no centro de São Paulo (Foto: Reprodução / Facebook)

Cozinhar sempre foi um lazer para a paulistana Jéssica Pereira, 25, que, desde criança, passava as tarde na cozinha ajudando sua mãe a preparar algumas receitas. Com o tempo, Jéssica foi ganhando mais habilidade culinária e passou a preparar seus próprios pratos. E, desde julho deste ano, ela cozinha refeições para seus clientes do Bellatucci Café, empreendimento que inaugurou ao lado da irmã e do cunhado.

Após realizar algumas oficinas no Instituto Chefs Especiais – onde aprendeu truques e receitas com diferentes chefes famosos, como Henrique Fogaça, Claude Troisgros, Guga Rocha e Reymi Myazi, que lhe ensinou seu famoso nhoque de mandioquinha –, o desejo de Jéssica de abrir seu próprio empreendimento foi ficando cada vez mais forte. “Sempre sonhei em ter meu restaurante. Peguei o dinheiro da minha poupança e, com a ajuda da minha irmã, Priscila Della Bella, e do meu cunhado, Douglas Batetucci, completei o dinheiro para realizar esse sonho”, diz a paulistana.

Ao todo, o trio de sócios conseguiu juntas R$ 70 mil reais. “Além disso, economizamos cerca de R$ 30 mil colocando a mão na massa e a família toda para trabalhar. Foram 3 meses de reforma, lidando com pintura, decoração... Mas eu sempre fiz questão de participar e opinar em cada detalhe”, afirma Jéssica. Finalmente, em julho deste ano, o Bellatucci Café abriu suas portas e recebeu mais de 200 clientes no dia de inauguração.

Desde então, Jéssica tem preparado diversas receitas diariamente para servir aos seus clientes. As opções oferecidas no cardápio do Bellatucci há cafés de diversos sabores, além de bolos, waffles, bolinhos de chuva, panquecas, quiches, salada, muffins, omeletes e, claro, seu nhoque de mandioquinha. “Não é todo dia que tem nhoque porque ele dá muito trabalho e eu gosto de fazer todas as etapas sozinhas. Até fico cansada de descascar e amassar mandioquinha”, diz a empreendedora. Dessa vez, quem lhe ajuda na cozinha é a sua mãe, Ivania. “Mas ela é ajudante, eu quem comando tudo”, afirma a empreendedora.

Além das duas na cozinha e dos seus sócios, o Bellatucci também conta com outros funcionários que, assim como Jéssica, também têm Síndrome de Down. “Escolhi alguns amigos para virem trabalhar comigo, que sabem atender bem e que gostam de cozinhar. Quero que todos possam realizar o sonho de trabalhar em um lugar feliz, que nem eu.”

Para deixar o espaço ainda mais alegre, o Bellatucci também abre suas portas para que pessoas com Down exponham suas artes, que possam cantar, tocar música ou dançar. Na inauguração do café, uma amiga de Jéssica vendeu seus artesanatos e outro amigo vendeu alguns brigadeiros gourmet. Nos próximos dias, Jéssica irá levar seus amigos do teatro.

“Sou muito feliz de mostrar para todo mundo que sou capaz de ter meu próprio café. Quero que todos venham aqui nos conhecer e ver eu e meus amigos trabalhando de verdade. Acordo cedo todos os dias, chego no café 8 da manhã e não reclamamos de nada não, só tenho que agradecer papai do céu que me deu uma família boa que tá realizando o meu sonho de cozinhar”, diz Jéssica.

Santistas comemoram medalhas na 21ª Meia Maratona do Rio

Heitor Mariano e Fah Fonseca foram vice-campeões entre os cadeirantes

Por GloboEsporte.com, Santos, SP

Heitor Mariano foi o segundo mais rápido entre os homens (Foto: Divulgação / Meia Maratona Internacional do Rio)
Heitor Mariano foi o segundo mais rápido entre os homens (Foto: Divulgação / Meia Maratona Internacional do Rio)

Os paratletas da equipe Fast Wheels/MSC/PROMIFAE/FUPES foram destaques na 21ª Meia Maratona do Rio de Janeiro, disputada no último domingo. No total, o time santista garantiu três pódios com os cadeirantes Heitor Mariano, Fah Fonseca e Vanessa Cristina.

Heitor foi o segundo mais rápido entre os homens, com o tempo de 58min42s. O vencedor foi Leonardo de Melo, de Presidente Prudente, que fechou o percurso em 52min14s. O santista comemorou o resultado, mas revelou que o clima atrapalhou seu desempenho.

Correr no Rio é sempre gratificante, mas nós últimos anos o vento tem sido um adversário grande. Venho de um tratamento de infecção urinária. Então, estou satisfeito com minha marca – declarou o atleta.

Santos teve duas representantes no pódio feminino. Fah Fonseca fechou a prova em segundo, com 59min07s, seguida por Vanessa Cristina (59min11s). Aline Rocha, de São Caetano, foi a mais rápida e concluiu a disputa em 54min45s.

Fico feliz pela terceira colocação. Além disso, ter baixado 6 minutos em relação ao ano passado tem gosto de primeiro lugar – comemorou Vanessa.

A equipe agora entra em um período de treinos intensivos de 10 semanas para a Maratona de Oita, no Japão.


Vídeo mostra dificuldade de cadeirante ao tentar usar rampa em calçada de Macapá

Imagem foi registrada na segunda-feira (21) no Centro da capital. Semduh informou que fiscalizações em espaços públicos são feitas após denúncias.

Por Jéssica Alves, G1 AP, Macapá

Cadeirante tem dificuldade em passar para calçada da Praça da Bandeira (Foto: Reprodução)
Cadeirante tem dificuldade em passar para calçada da Praça da Bandeira (Foto: Reprodução)

Os buracos e calçamentos irregulares são verdadeiros obstáculos para quem circula pelas calçadas de Macapá. A dificuldade de locomoção é ainda maior para quem usa cadeira de rodas, como o motorista Fernando Pereira, de 50 anos, que registrou um vídeo a dificuldade em utilizar uma rampa no calçamento de uma esquina no Centro da capital.

O registro foi feito na segunda-feira (21) por volta das 11h, segundo o cadeirante, que estava atravessando a avenida FAB em direção à parada de ônibus na Praça da Bandeira, mas ao chegar na esquina com a rua General Rondon, encontrou dificuldades para acessar o calçamento da praça.

Click AQUI para ver o vídeo

Ele reforça que em muitos lugares há rampas inclinadas que representam riscos para os deficientes físicos e que o tráfego em calçadas é um dos desafios de locomoção de cadeirantes.

“Sou cadeirante há 24 anos e sempre encontro dificuldades para me locomover na cidade. Moro na Zona Norte e preciso enfrentar muitos obstáculos para chegar ao Centro e resolver minhas situações. É complicado demais não poder simplesmente atravessar uma calçada. Onde está o nosso direito de ir e vir?”, reclamou.

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitacional (Semduh) informou que a fiscalização em espaços públicos e readequação de calçadas é feita após a formalização de denúncias feitas pelos munícipes. Os casos podem ser denunciados na sede da secretaria, localizada na rua Presidente Vargas, ou pelo telefone (96) 98802-8129.

Além das calçadas irregulares, o cadeirante alega ter dificuldades para usar o transporte coletivo da capital. No dia 21 de julho, ele fez um protesto após o elevador de acessibilidade de um ônibus apresentar defeito. Indignado, ele parou em frente ao veículo, impedido que ele seguisse viagem.

“Essa é uma luta diária que nós cadeirantes e deficientes físicos enfrentamos com a falta de acessibilidade adequada em muitos pontos da cidade”, lamentou.

Fonte: g1.globo.com

Justiça decreta prisão de suspeitos de assaltarem cadeirante no meio da rua - Veja os videos

Dupla está foragida, mas moto e capacete usados no crime foram apreendidos, informou a polícia. Câmera registrou o crime em São Miguel Arcanjo.

Por G1 Itapetininga e Região

Homem aborda cadeirante e rouba dinheiro em São Miguel Arcanjo (Foto: Reprodução/TV TEM)
Homem aborda cadeirante e rouba dinheiro em São Miguel Arcanjo (Foto: Reprodução/TV TEM)

A Justiça expediu nesta terça-feira (22) o mandado de prisão preventiva contra dois suspeitos de assaltarem um cadeirante de 64 anos, em São Miguel Arcanjo (SP).


De acordo com o delegado da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Itapetininga (SP), Agnaldo Nogueira Ramos, os suspeitos Vinicius Inocêncio Silva, de 28 anos, e Fabiano de Lima Cravo, de 31 anos, foram identificados após denúncia anônima. Os dois têm passagens pela polícia por tráfico e porte de entorpecente.

Click AQUI para ver os vídeos.

Ainda segundo o delegado, após patrulhamento nesta terça-feira, a motocicleta e o capacete que teriam sido usados no crime foram apreendidos pela polícia na casa de um dos suspeitos. Os dois continuam foragidos.

Moto usada por suspeitos foi apreendida pela polícia (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Moto usada por suspeitos foi apreendida pela polícia (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Polícia também apreendeu um capacete na casa de um dos suspeitos de assaltar cadeirante (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Polícia também apreendeu um capacete na casa de um dos suspeitos de assaltar cadeirante (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Vídeo

Segundo a polícia, o caso aconteceu em 17 de julho. Câmeras de segurança de uma loja de informática registraram o crime.

Nas imagens é possível observar que a vítima estava sozinha em um cruzamento, ruas Dom Aguirre com a Fernando Costa, quando dois homens em uma motocicleta passam por ele.

Em seguida, o motociclista para no meio da rua, o garupa desce, aborda o cadeirante e rouba sua pochete com dinheiro, cartões e remédios. Depois volta correndo para o veículo e os criminosos fogem.

'Falaram meu nome'

Cadeirante de São Miguel Arcanjo conta como foi assaltado em São Miguel Arcanjo (Foto: Reprodução/TV TEM)
Cadeirante de São Miguel Arcanjo conta como foi assaltado em São Miguel Arcanjo (Foto: Reprodução/TV TEM)

O cadeirante Xigueo conta que estava voltando da farmácia quando foi abordado pelos dois homens. "Eles passaram por mim em uma rua, me cumprimentaram e falaram meu nome. Descendo um quarteirão abaixo, os dois vieram de novo e pararam atrás. Aí, o que estava na garupa veio até mim. Ele me chamou pelo nome, falou para não reagir e pegou minha bolsa com dinheiro. Que tristeza”.

Segundo Xigueo, esta foi a primeira vez que ele foi assaltado na cidade, que tem cerca de 32 mil habitantes. Para ele, a sensação é de tristeza e insegurança.

“Eu não sei quem é por causa do capacete, mas sabiam quem eu era. Eu fiquei decepcionado. A gente espera uma segurança melhor. Fico triste ainda mais por aqui ser cidade pequena. Cada vez está ficando pior”, ressalta.

Dupla em moto assalta cadeirante na área central de São Miguel Arcanjo (Foto: Reprodução/TV TEM)
Dupla em moto assalta cadeirante na área central de São Miguel Arcanjo (Foto: Reprodução/TV TEM)


Fonte: g1.globo.com

Contratação de pessoas com deficiência cresce 173,5% em Piracicaba, SP

Aumento ocorreu por conta da fiscalização sobre a Lei de Cotas, segundo a coordenadora do Centro de Apoio ao Trabalhador.

Por G1 Piracicaba e Região

Robson de Souza Costa: 'exerço uma função como uma pessoa normal'.  (Foto: Ronaldo Oliveira/ Reprodução EPTV)
Robson de Souza Costa: 'exerço uma função como uma pessoa normal'. (Foto: Ronaldo Oliveira/ Reprodução EPTV)

A contratação de pessoas com deficiência em Piracicaba (SP) cresceu 173,5% nos primeiros sete meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2016. De janeiro a julho de 2017, a indústria e o comércio da cidade admitiram 93 pessoas, 59 a mais do que no ano passado, quando ocorreram 34 contratações. Os dados foram enviados ao G1 pela Prefeitura.

Apesar da “explosão” de admissões, o presidente da Associação Comercial e Industrial de Piracicaba (Acipi), Paulo Roberto Checoli, afirma que ainda há “uma grande jornada pela frente” para que as empresas proporcionem igualdade para estes trabalhadores.

“[Há] uma necessidade de criarmos todo um ambiente favorável de acesso de suas residências até as empresas, das empresas se adaptarem e se prepararem para o acolhimento dentro do ambiente com acessibilidade, bem como no relacional”, aponta o presidente da Acipi.

O maior crescimento foi de contratações de pessoas com deficiência física. De janeiro a julho de 2016, foram admitidos 13 trabalhadores, contra 36 nos meses deste ano. O auxiliar de produção Robson de Souza Costa trabalha em uma fábrica de papéis e afirma que, apesar de ter perdido parte da mão esquerda, realiza sua função sem problemas.

“Eu sofri [passei por] todas as etapas de admissão como uma pessoa normal e exerço uma função como uma pessoa normal”, contou o trabalhador, que perdeu parte da mão há mais de 20 anos em um acidente de carro.

Presidente da Acipi, Paulo Roberto Checoli, enalteceu o crescimento da contratação de pessoas com deficiência. (Foto: Divulgação/Acipi)
Presidente da Acipi, Paulo Roberto Checoli, enalteceu o crescimento da contratação de pessoas com deficiência. (Foto: Divulgação/Acipi)

Lei de cotas

A coordenadora do Centro de Apoio ao Trabalhador (CAT) de Piracicaba, Luciana Góes, afirma que o crescimento se deu pelo aumento da fiscalização sobre a Lei de Cotas. Por esta norma, empresas com mais de 100 funcionários devem ter de 2% a 5% do quadro de trabalhadores preenchido por pessoas reabilitadas ou com deficiência.

O presidente da Acipi ressalta para a importância da empresa ficar atenta à inserção deste trabalhador. “ Ainda temos uma grande jornada pela frente para que não seja apenas para o cumprimento de cotas, mas, sim, uma condição plena de igualdade”, disse Checoli.

Apesar da ressalva, Checoli enaltece este crescimento. “Do ponto de vista econômico, esse processo é positivo, pois estimula a circulação da renda. Afinal, quanto mais pessoas estiverem exercendo atividades remuneradas mais aquecida será a economia”.

Crescimento em todo o estado

O aumento das contratações em Piracacicaba acompanha o crescimento estadual neste segmento. Como mostrou a EPTV, afiliada da TV Globo, no primeiro semestre deste ano foram admitidos 1068 trabalhadores com algum tipo de deficiência, contra 630 no mesmo período de 2016.

Fonte: g1.globo.com

Semana debate direitos e inclusão de pessoas com deficiência em Rio Branco

Programação conta com oficinas e atendimento itinerante até o domingo (27). Presidente da Apae-AC diz que objetivo é mostrar que todos são capazes de realizações.

Por Quésia Melo, G1 AC, Rio Branco

Semana Nacional da Pessoa com Deficiência segue até domingo (27), em Rio Branco (Foto: Divulgação/Apae-AC)
Semana Nacional da Pessoa com Deficiência segue até domingo (27), em Rio Branco (Foto: Divulgação/Apae-AC)

Com o tema “Direitos, Necessidades e Realizações”, a Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla debate a igualdade e inclusão através de oficinas e debates em Rio Branco. A da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae-AC) começou na segunda-feira (21) e segue até domingo (27).

A programação também inclui palestras sobre os direitos previdenciários e assistenciais da pessoa com deficiência e rodas de conversas. A programação completa foi publicada na página da Apae-AC no Facebook.

Ao G1, a presidente da associação, Cecília Lima, diz que é importante que todos se sintam incluídos e tenham conhecimento das suas necessidades.

“Todos devem saber quais as suas realizações, seus direitos e como colocar tudo isso em prática. A semana também é um forma de divulgar as experiências bem sucedidas, um espaço para as pessoas relatarem seus momentos de superação”, destaca.

Programação inclui debates e palestras sobre a inclusão de pessoas deificientes (Foto: Divulgação/Apae-AC)
Programação inclui debates e palestras sobre a inclusão de pessoas deificientes (Foto: Divulgação/Apae-AC)

O evento também inclui atendimento itinerante com uma equipe multidisciplinar para realização de cadastro. Em Rio Branco, a Apae-AC vai atender na Cidade do Povo. No interior a associação vai fazer atendimentos na cidade de Senador Guiomard, na quinta (24), e em Sena Madureira, no sábado (26).

“Essa equipe vai fazer uma visita às pessoas com deficiência e também acompanhar esses casos. O que queremos é mostrar que todos são capazes e podem ter realizações nas escolas e também no mercado de trabalho. Enfim, todas as atividades que qualquer pessoa participa”, finaliza.

Equipe da Apae também vai fazer atendimento itinerante em Senador Guiomard e Sena Madureira (Foto: Divulgação/Apae-AC)
Equipe da Apae também vai fazer atendimento itinerante em Senador Guiomard e Sena Madureira (Foto: Divulgação/Apae-AC)

Fonte: g1.globo.com

Cientistas testam ‘esponja’ capaz de tratar diabetes tipo 2

Implantado em camundongos obesos, artefato de polímero diminuiu níveis de gordura corporal e de açúcar circulante no sangue.
Por G1

Esponja implantada em cobaias obesas diminuiu níveis de gordura corporal (Foto: Gower lab)
Esponja implantada em cobaias obesas diminuiu níveis de gordura corporal (Foto: Gower lab)

Há algum tempo, endocrinologistas descobriram que a gordura não é apenas um reservatório de energia passiva do organismo. Ela libera compostos que contribuem para mudar todo o metabolismo -- inclusive, com alterações que levam ao desenvolvimento de diabetes tipo 2.

Pensando nisso, experimento apresentado nesta terça-feira (22) em reunião anual da "American Chemical Society" desenvolveu uma esponja de polímero que impede que a gordura “converse” com o restante do corpo.

O polímero já é um material usado em stents, suturas e outros dispositivos médicos implantáveis.

Desenvolvida pela Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, a esponja foi testada em camundongos. Pesquisadores implantaram o material em cobaias obesas que desenvolveram sintomas semelhantes aos da diabetes.

No diabetes tipo 2, órgãos do corpo perdem a capacidade de absorver moléculas de açúcar e, com isso, essa glicose fica circulante na corrente sanguínea -- situação altamente tóxica para o organismo.

Resultados indicam possível tratamento

Após três semanas de dieta rica em gordura, ratos com as esponjas tiveram aumento de 10% na gordura corporal, enquanto que cobaias sem o implante ganharam 30% mais gordura corporal.

Ainda, camundongos com a esponja apresentaram 60% de aumento de transportadores de glicose tipo 4 (GLUT 4), proteína que ajuda a transportar esse “açúcar perdido” para dentro das células.

Agora, pesquisadores estão tentando identificar por que a esponja reduziu a gordura e os níveis de glicose no sangue. A ideia é ajustar a estratégia para que ela seja mais eficaz e vire um tratamento viável para diabetes tipo 2 no futuro.

Fonte: g1.globo.com